Regime de caixa e regime de competência: descubra as diferenças!

Você sabe o conceito e quais são as diferenças entre regime de caixa e regime de competência? Esses são métodos de avaliar movimentações financeiras e estão relacionados à um conhecimento fundamental para todo profissional: controlar melhor suas contas.

Para mantê-lo informado sobre o assunto, preparamos este artigo. Você vai entender o conceito do regime de caixa, do regime de competência, exemplos práticos, características e diferenças desses métodos, bem como quando utilizar cada um deles. Confira a leitura!

Qual é o conceito de regime de caixa?

Basicamente, o regime de caixa considera as movimentações financeiras (entradas e saídas de dinheiro) no momento em que ocorre a transação de capital. Ou seja, você contabiliza despesas e receitas no efetivo recebimento ou pagamento do dinheiro.

Exemplo: imagine que você vendeu uma mercadoria a prazo e dividiu em 5 parcelas. O dinheiro das parcelas será contabilizado no dia que você receber cada uma delas, efetivamente. O mesmo ocorre quando uma compra é feita a prazo; você registra as despesas nas datas em que fizer os pagamentos.

Esse método é considerado mais fácil de manusear que o regime de competência, por isso é amplamente utilizado pelos gestores e profissionais no registro de suas contas.

E o que é regime de competência?

No regime de competência as receitas e despesas são somadas quando ocorre o fato gerador de uma negociação. Isso significa que um pagamento ou recebimento de dinheiro é registrado na data que você fecha um negócio.

Se você fez uma venda a prazo, por exemplo, o valor é anotado integralmente no dia que ocorre a assinatura do contrato, independente de quantas parcelas foram pagas naquele momento. A mesma lógica se aplica em aquisições: se você compra um bem e divide o pagamento em 6 vezes, todo o valor é registrado no dia da compra.

A legislação brasileira determina que os profissionais e empresas utilizem o regime de competência em algumas ocasiões, como na declaração do imposto de renda.

Quando usar regime de caixa e regime de competência?

Não há um regime mais vantajoso que o outro, já que cada um é adequado para certas situações. Normalmente o regime de caixa é aplicado quando a empresa elabora relatórios gerenciais para controlar suas contas.

Já o regime de competência é utilizado quando é obrigatório por lei, o que acontece no caso dos registros contábeis de grandes ou médias empresas e de instituições financeiras. Esse também é usado na elaboração do Demonstrativo de Resultados do Exercício (DRE), documento que avalia se um negócio teve prejuízo ou lucro em um determinado período de tempo.

Ressalta-se que há relatórios que exigem o regime de caixa, como o Demonstrativo de Fluxo de Caixa (DFC), que tem a finalidade de analisar todas as saídas e entradas de capital de um negócio, permitindo avaliar a saúde financeira do negócio naquele momento.

O assunto que exige conhecimento técnico e especializado sobre finanças e contabilidade, por essa razão é importante ter a ajuda de uma empresa especializada em fazer o controle financeiro de pessoas jurídicas e emitir relatórios legais. Ela melhorará a gestão financeira do seu negócio e garantirá sua regularidade perante o Fisco.

Ao entender sobre regime de caixa e regime de competência, você conseguirá identificar os regimes nos relatórios do seu negócio e controlar melhor as entradas e saídas da empresa. Entretanto, como se trata de um tema bastante complexo, é necessário ter o apoio de uma equipe especializada.

Siga-nos nas redes sociais para ficar cada vez mais informado sobre questões de negócios! Estamos no Facebook e Instagram!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *